Aconteceu no SINESP

A vaga de número 12 da Academia Brasileira de Letras (ABL) pode ser ocupada por um representante dos povos originários do Brasil, acontecimento sem precedentes na história do país. O paraense Daniel, 57 anos, da etnia Munduruku, escreveu para os membros da Academia Brasileira de Letras formalizando seu nome para concorrer à vaga, que pertenceu ao crítico literário Alfredo Bosi, vítima da Covid logo no início da pandemia, no ano passado.

O SINESP apoia a candidatura de Munduruku à ABL.  O escritor indígena já honrou o SINESP Formações com a sua presença, para discorrer sobre o tema “Meio ambiente e o futuro da humanidade”. Autor de 52 livros para crianças, jovens e educadores, professor de filosofia com licenciatura em história e psicologia, Dr. em Educação e Pós-Dr. em Linguística trouxe conceitos culturais de sua etnia que propõem revisão da cultura ocidental capitalista em pérolas como “se o momento atual não fosse bom, não se chamaria presente”. Daniel lançou livros traduzidos e premiados — inclusive pela ABL -, entre eles, "Coisas de índio", "A palavra do grande chefe" e" Como surgiu - mitos indígenas brasileiros".

O combate constante ao preconceito, à discriminação, ao racismo, à xenofobia e à misoginia consta dos princípios sindicais e da pauta de lutas do SINESP, com:

- Promoção de palestras, cursos, lives e eventos para formação e valorização da diversidade nos espaços escolares e na vida social.

- Participação na Parada do Orgulho LGBT, na Avenida Paulista, em 2018 e 2019.

- Participação na Câmara dos Deputados do XVI Seminário, para defesa dos direitos LGBTQI+.

- Participação na XV Marcha da Consciência Negra.

- Manifestação no Dia Internacional da Mulher em defesa da vida, da democracia, da justiça social e de direitos de 2018 a 2021.

- Manifestação pelo fim da violência contra as mulheres.

- Promoção de formação aos filiados nas temáticas da diversidade.

- Manifestação no Dia Internacional da Mulher Negra Latino– Americana e Caribenha por dignidade, educação e trabalho, sem violência, racismo e opressões, na Praça da República, em 25/07/19. 

- Manifestação contrária ao PL 19/19, do Vereador Fernando Holiday, por negar a história, perpetuar desigualdades e revogar cotas raciais para ingresso no serviço público do Município de São Paulo.

- Participação em Ato Unificado do Dia Internacional da Mulher pelo fim das desigualdades sociais e por garantias de direitos correlatos, em 08/03/20.

- Apoio a iniciativas que buscam retratar Machado de Assis como realmente era, sem o embranquecimento imposto pelo racismo.

- Apoio e divulgação da Comemoração do Dia Nacional da Visibilidade de Travestis e Transexuais para marcar a luta pelos direitos humanos, pelo respeito à identidade de gênero e pela busca do direito à vida sem preconceito e discriminação, em 29/01/21.

>>> Confira como foi a live com Daniel Munduruku para o SINESP Formações abaixo

>>> LEIA MAIS:

Live com Daniel Munduruku foi lição para todos de vida, cultura, história e respeito à natureza

Comentários   

# Maria Esther Zachari 20-10-2021 14:43
Agradeço análise sobre relação sociedade e concepção de tempo presente e futuro, Professor. O senhor nos lembra dos valores essenciais.
Responder | Responder com citação | Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

0
0
0
s2sdefault