Destaque

17 de maio é o Dia Internacional do Combate à Homofobia, e junto com ele há uma série de eventos importantes pelo conteúdo democrático e humano, como a Parada, que esse ano tem como slogan “Poder pra LGBTI + Nosso Voto, Nossa Voz”!

parada lgbt sp Site SINESPEm sua 22ª edição, a Parada desse ano acontece domingo, 3 de Junho, com concentração a partir das 10h em frente ao MASP, na Avenida Paulista.

Novamente a Av. Paulista estará lotada com muita gente animada, alegre e também disposta a se expressar em defesa das liberdades democráticas e da afirmação da identidade de gênero.

A concentração começa às 10h00, em frente ao MASP. A marcha sai às 13h00, com seus incríveis trios elétricos.

Para esta edição, o tema é “Eleições” e o slogan é “Poder pra LGBTI+, Nosso Voto, Nossa Voz”. Este tema e slogan foram discutidos em várias reuniões ao longo do ano desenvolvidas pela ONG APOGLBT SP (Associação da Parada do Orgulho de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros de São Paulo) em parceria com coletivos, outras ONGs LGBTs e militantes.

O tema Eleições em 2018 foi o mais discutido por sua importância nesse período obscuro vivido no país. O cenário é de retrocesso social, econômico e político. Além da gravidade econômica, que tem no desemprego recorde seu maior expoente, há os ataques generalizados aos direitos trabalhistas e previdenciários e os avanços de. A isso se soma as iniciativas de grupos conservadores de emplacar políticas obscurantistas, como escola sem partido.

Por isso é preciso criar frentes que levem aos trabalhadores e à população em geral um debate ampliado sobre o momento vivido no país, para elevar o senso crítico na escolha dos candidatos.

A Parada do Orgulho LGBT faz muito bem de politizar a festa e por em debate nosso presente e nosso futuro, que estará em jogo na eleição que ocorrera a apenas 4 meses de sua realização.

 

Além da parada, a semana da Diversidade tem muitos outros eventos:

18ª Feira Cultural LGBT de São Paulo

31/05, Vale do Anhangabaú – ao lado do metrô Anhangabaú em São Paulo

A Feira Cultural LGBT já é tradição na semana da Parada. Ocupando toda a extensão do Vale do Anhangabaú, reúne tendas comerciais com produtos dos mais variados segmentos, como moda, acessórios, livros, calçados, perfumes, artes plásticas, decoração, música, vídeo, artigos esotéricos, entre outros. Há também uma praça de alimentação e um setor específico para divulgação dos trabalhos de Organizações Não Governamentais (ONGs) e demais entidades que apoiam a causa LGBT.

18º Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade 2018

01/06, às 19h no Memorial da América Latina em São Paulo

Para homenagear e reconhecer ações sociais que contribuíram para o avanço dos direitos humanos da população LGBT, a Associação da Parada do Orgulho GLBT (APOGLBT SP) realiza a 18º edição do Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade. 

Ao todo são 19 categorias entre personalidades, entidades, autoridades políticas e ações culturais que contribuíram para o avanço dos direitos humanos da população LGBT em 2017/2018.

Outros eventos parceiros da Parada

25 de Maio

Abertura – Exposição Com Muito Orgulho (Colaborativa)

Link: https://www.facebook.com/events/173171296719058/

26 de Maio

11° Drag Contest

Link: https://www.facebook.com/events/181593432667220/

30 de Maio

Joys Party – “Festa Oficial da Parada LGBT de São Paulo”

Link: https://www.facebook.com/events/158141368359364/

31 de Maio

2ª Cãominhada da Diversidade

Link: https://www.facebook.com/events/1613194072061531/

31 de Maio

Literatura LGBT: 3º Bate-papo com Autores/Editoras

Link: https://www.facebook.com/events/2051278478463469/

02 de Junho

Milkshake festival Brasil 2018

Link: https://www.facebook.com/events/747720845431938/

02 de Junho

Miss Brasil Gay Universo 2018

Link: https://www.facebook.com/events/298234134042147/

Confira o manifesto produzido pelas organizações que organizam a Parada:

Eleições. Poder para LGBTI+, Nosso Voto, Nossa Voz

original parada lgbt sp 1024x470

“Somos milhões de filhos e filhas, pais, parentes e amigos. Ocupamos todos os cantos do Brasil e contribuímos para todas as áreas do conhecimento. Trabalhamos em todas as indústrias e segmentos econômicos como assalariados e autônomos, em profissões formais e informais. Estamos presentes nas empresas públicas e privadas, na cidade e no campo, no asfalto e nas favelas, nos bairros abastados e nas periferias, assim como na propaganda, nas artes, nos filmes e nas novelas. Representamos cerca de 10% dos mais de 207 milhões de brasileiros e brasileiras. Temos orgulho de sermos Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transsexuais, Travestis, Transgêneros e Intersexos (LGBTI+).

Mas, apesar de tudo isso, ainda não nos enxergamos no espelho da política. No Congresso Nacional, dos 581 parlamentares, temos apenas um deputado assumidamente homossexual que defende as cores da nossa bandeira. Infelizmente, ainda são poucos os políticos heterossexuais e cisgêneros aliados que abraçam a pauta LGBTI+, por mais direitos humanos e cidadania, em seus discursos e plataformas políticas. É triste reconhecer que a sub-representatividade de políticos LGBTI e aliados, comprometidos com nossas pautas, repete-se em outras casas legislativas do país.

O fato é que a nossa luta, mesmo tendo conseguido tantos avanços na sociedade civil, sofre constantes reveses e ameaças das bancadas conservadoras. É como se a cada passo pra frente, fôssemos empurrados dois passos pra trás. Temos um Congresso que é tido como o mais conservador desde 1964, segundo o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Precisamos mudar essa situação, e urgente!

Sim, nós podemos. Pois temos o poder nas nossas mãos; o nosso voto. Neste ano, ele será nossa voz, nossa arma e nosso trunfo. Precisamos nos empoderar das urnas e dos nossos direitos conquistados para elegermos presidente, governadores, deputados estaduais, deputados federais e senadores que nos enxerguem como cidadãs e cidadãos e nos representem, sejam eles e elas LGBTI+ ou não. Pois estamos vivendo um momento em que é imprescindível nos colocarmos contra um discurso cheio de preconceitos e ódio, utilizado por políticos mal intencionados.

Eles usam a velha retórica de proteção dos valores da família, da moral e dos bons costumes, como se nós fôssemos contra a família ou religião. Tudo isso para cassar nossos poucos direitos conquistados e impedir avanços para uma sociedade mais justa e igualitária. A arma deles é um discurso religioso distorcido para manipular a população. Somos usados como cortina de fumaça e apontados como inimigos do “cidadão de bem” para desviar o foco de suas práticas escusas e corruptas, garantindo seus enriquecimentos ilícitos e a perpetuação no poder.

É assim que estão fazendo com a tentativa de legalizar terapias de “cura gay”, com a tramitação de um “estatuto da família” que desconsidera os nossos modelos familiares, com um projeto de lei chamado “escola sem partido” que, se aprovado, vai proibir a discussão sobre gênero e sexualidade nas escolas, entre muitas outras frentes de ataque à nossa comunidade. A falta de representatividade com compromisso, ética e responsabilidade social faz com que a corrupção se instale, direitos sejam cassados, lutas por mais cidadania sejam sufocadas e crimes de ódio contra LGBTI continuem impunes.

É com essa justificativa e compromisso que a Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (APOGLBT) escolheu, com outros coletivos, ONGs e militantes, o tema Eleições para a 22ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, que trará o slogan “Poder pra LGBTI+, Nosso Voto, Nossa Voz”. Queremos que nessas, e nas próximas eleições, nossas vozes sejam ouvidas nas urnas e fora delas, e que nossos votos nos representem de fato.

Entendemos que a luta por mais direitos humanos e cidadania extrapola nossa sigla. Por isso, convidamos todas as pessoas da sociedade, eleitores e políticos, ao diálogo sobre direitos LGBTI e convocamos a nossa comunidade a empoderar-se do seu voto, do seu poder de escolha, das suas conquistas, de lutar por elas e por outras que precisamos. Sabemos que as mulheres ocupam apenas 10% das cadeiras da Câmara dos Deputados, mesmo sendo elas mais da metade da população. Se, no Brasil, 55% da população é formada por negros, apenas 20% dos deputados federais são. É hora de nos juntarmos a outros grupos minorizados e minoritários e elegermos a nós mesmos e às pessoas aliadas.

Mulheres cisgêneras, transsexuais e transgêneras, lésbicas, gays, negras e negros, bissexuais, travestis, homens trans e pessoas com deficiência, também podem fazer política. Mas pedimos que seja de forma justa, humana, igualitária e comprometida com nossa bandeira.

Poder

Poder é um conceito que também remete a coisas que lutamos contra, como  hierarquias, desigualdades e abusos. Não é esse o poder que queremos. Mas o fato é que precisamos ocupar os espaços que produzem as desigualdades para transformá-los por dentro. Nosso empoderamento como indivíduos também passa por essa questão. Negar essa necessidade é fechar os olhos para a realidade.

PODER PRA LGBTI+ é um projeto de construção de um novo poder mais humano, inclusivo, justo e representativo de todas e todos os cidadãos, independentemente de gênero, orientação sexual, raça, classe, lugar de origem, mobilidade entre tantos outros recortes.”

Adicionar comentário


0
0
0
s2sdefault