Destaque

-O SINESP chama a participação dos Gestores na luta – Vamos unir o funcionalismo para barrar o PL 621/16!

-Aumento de alíquota previdenciária é confisco!

-Todos no ato, 08/03/18, 14h00, em frente à sede do SINESP, rua Líbero Badaró, 158!

-Vamos mostrar que essa categoria, composta majoritariamente por mulheres, tem o 08 de março, Dia Internacional da Mulher, como referência na luta em defesa dos seus direitos.

As ações do Governo Dória contra o funcionalismo não param e exigem atenção e rápida mobilização da categoria. Com a retomada dos trabalhos legislativos e definições das Comissões temáticas na Câmara Municipal de São Paulo, se faz necessária movimentação de toda a categoria. Em reunião realizada no dia 26 de fevereiro, o Fórum das entidades, que reúne os Sindicatos e Associações que representam os diversos segmentos do funcionalismo municipal, definiu mais uma ação para o dia 8 de março.

O SINESP é membro permanente do Fórum das entidades, aposta na unidade da categoria para impeder a tramitação da reforma de Dória e participou da reunião, manifestando a necessidade da união de todo funcionalismo em torno da questão previdenciária.

A LUTA NO DIA 8 DE MARÇO

●Uma categoria unida e forte. É isso que precisamos mostrar dia 8 de março!

●Às 14h00 começa a concentração na Rua Libero Badaró 158, em frente à sede do SINESP.

●Às 15h00 saímos em caminhada até a Câmara Municipal.

●O SINESP chama todos os gestores educacionais para o ato. É essencial a participação e que a categoria se mantenha atenta a vigilante contra os ataques do Governo.

●Venha para junto de seu sindicato e de sua categoria! Gestor Informado, Gestor Forte.

 

Atenção: a reunião regionalizada de RELTs da DRE São Miguel, marcada para as 9h30 do dia 08/03, está mantida.

VEJA AQUI VÍDEO DO SINESP SOBRE O PL 621/16.

EFEITOS DA REFORMA PREVIDENCIÁRIA DE DORIA

A reforma previdenciária é parte de atitudes iniciadas no Governo Haddad, no sentido de segregar os futuros servidores, alocando-os no Sampaprev. O Governo Doria ampliou a segregação e a divisão da categoria com a proposta de ampliação da contribuição previdenciária para 14%, criação de uma faixa suplementar que vai até 5% e pode levar a alíquota a 19%, o que atinge grande parcela da Educação e sobretudo os Gestores Educacionais.

A administração, em seu projeto, não prevê nenhuma fiscalização do novo modelo previdenciário, transmitindo total insegurança ao futuro da categoria. E entrega a gestão do novo modelo previdenciário ao SPPREV, que (mal) gerencia a previdência estadual, após sucumbir com o IPESP.

O alegado déficit do IPREM foi gerado por inabilidade e pela inexistência de aporte da contribuição dos servidores (recolhida pela prefeitura, mas não repassada ao IPREM quando ele foi reestruturado em 2005). Para saldar essa dívida histórica com o funcionalismo, Dória propõe o repasse de prédios municipais ao IPREM, sem que a avaliação do valor do imóvel seja conhecida e crível. Isso pode gerar, inclusive, situações como a de Escolas deixarem de ter seus prédios como próprios municipais, mas integrantes do ativos do IPREM.

Em 2017 a Administração Municipal propagandeou que recebeu sem custos um estudo previdenciário da FIPE bancado pela FEBRABAN. O Fórum das entidades solicitará a publicização deste estudo também.

AÇÕES JÁ REALIZADAS ESTE ANO PELO SINESP NA LUTA EM DEFESA DA APOSENTADORIA DOS GESTORES

29 e 30 de janeiro: Panfletagem e orientação sobre a Reforma da Previdência de Temer e Doria nas reuniões de organização escolar das 13 Diretorias Regionais de Educação.

1 de fevereiro: Mobilização e visita aos Gabinetes dos Vereadores em conjunto com o Fórum das Entidades, denunciando o Projeto de Lei 621/16 que trata da Reforma Previdenciária de Doria. Neste dia a Sessão de abertura dos trabalhos legislativos teve mudança de seu caráter em virtude da forte mobilização dos servidores públicos que lotaram galerias do Plenário.

15 de fevereiro: Assembleia do SINESP reafirma a mobilização, com aprovação de assembleia permanente e participação em todos atos e demais lutas contra a reforma da previdência do funcionalismo. Neste dia o SINESP também reafirmou no Fórum das Entidades seu engajamento na unidade pela luta dos servidores municipais.

19 de fevereiro SINESP: SINESP chama um dia de paralisação e participação no gande ato realizado na Paulista, que contou com participação expressiva da categoria, mostrando ser contraria às Reformas Previdenciárias de Dória e Temer

26 de fevereiro: Junto do Fórum das Entidades, o SINESP constrói mobilização para ação na Câmara Municipal. Visitas aos Gabinetes e às comissões serão ações constantes de todas entidades do Fórum.

08 de março: O SINESP chama sua categoria para estar junto de todo funcionalismo contra a Reforma Previdenciária de Doria.

MAIS MOBILIZAÇÃO

Um abaixo assinado já está disponível na sede do Sindicato para que a categoria registre que não deseja esta re(de)forma da Previdência Municipal. Em breve ele estará disponível para download e uma versão digital, para ser feito online.

Uma cartilha esta sendo preparada pelo Fórum das Entidades, com assessorial do DIEESE, visando à correta informação dos Servidores. O material que a Administração Doria tem divulgado traz comparativos forçados, que colocam o servidor como culpado pela ingerência nos recursos da Previdência municipal. Vamos desmontar essa falácia!

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

0
0
0
s2sdefault