Encontro de Aposentados do SINESP 2019: momento de alegria, diversão, lazer, cultura, amizade e companheirismo

Destaque
TIPOGRAFIA

O SINESP, em acordo com sua tradição, reconhece, acolhe e homenageia os valorosos Educadores Municipais de hoje e de ontem!

Nesse contexto, realizou no dia 8 de agosto um memorável Encontro de Aposentados na Casa de Portugal, no bairro da Liberdade, que contou com a presença de mais de 300 filiados que, entre amigos, desfrutaram um chá Inglês e atividades culturais, entre elas um delicioso show da cantora carioca Juliana Maia.

Foi um dia especial, muito aguardado e bem aproveitado pelos participantes, ocasião perfeita para rever colegas, reforçar a identidade de classe e, sobretudo, estreitar laços com o SINESP, sempre empenhado na luta pelos direitos dos Gestores Educacionais do Município. E também viver bons momentos descontraídos e alegres e se inteirar das demandas sindicais que envolvem a todos, inclusive os aposentados, como a reforma da Previdência.

Consciente da importância e do valor do educador aposentado na construção da Rede Municipal de Ensino, o SINESP sempre o homenageia, como forma de reconhecer sua desafiadora luta pela socialização de crianças jovens e adultos da nossa cidade.

EncontroApos 8 8 19 4

Veja AQUI a galeria de fotos do Encontro.

Veja AQUI vídeo com momentos do Encontro

EncontroApos 8 8 19 6

SINESP, guardião da Memória da RME...

... pela forma como sempre valoriza a atuação dos educadores da rede e sua história. Um dos primeiros eventos do SINESP, logo nos primeiros anos de sua fundação, foi uma justa homenagem aos pioneiros da RME, aqueles educadores que saíram à busca de crianças e locais para criar as primeiras classes da RME. O SINESP tem a honra de contar com muitos deles como filiados, sempre prestigiando os eventos sindicais. Muitos desses pioneiros estiveram no Encontro dos Aposentados de 2019.

A mensagem de Luiz Carlos Ghilardi, Presidente do SINESP, no Encontro dos Aposentados, ressaltou alguns pontos da atuação da Entidade.

EncontroApos 8 8 19 11Luiz Carlos lembrou que os 60 anos do Ensino Municipal foram comemorados pelo SINESP com uma emocionante sessão solene na Câmara Municipal, que contou com a presença de inúmeros filiados e de três secretários da educação: Paulo Nathanael Pereira de Souza, João Gualberto do Amaral Carvalho e Alexandre Schneider. Simbolicamente, eles representaram três importantes etapas da nossa rede de ensino.

Em 2008, o SINESP também acolheu o projeto de escrita de um livro, que foi publicado pela Imprensa Oficial. Na ocasião, o escritor e filiado do SINESP Antonio Gil Neto colocou sua experiência de escritor a serviço da formação e orientação de alguns colegas do SINESP, e juntos escreveram o livro “A memória brinca”, com histórias baseadas em fatos narrados por gestores da Rede, reunidos em “Cirandas da memória”. Luiz anunciou que o SINESP já se organiza para a comemoração dos 85 anos da Educação Infantil, em 2020.

SINESP, defensor da Carreira do Magistério

Além de guardião da história do Ensino Municipal, o SINESP é também o grande defensor da Carreira do Magistério. Aliás, a defesa da carreira e do concurso foi o que uniu os Gestores Educacionais na fundação do SINESP. Não fosse isso, haveria eleição para cargos, que hoje estariam extintos na vacância, proposta das primeiras versões do Estatuto do Magistério no governo Luiza Erundina. Foi também a forte reação dos Gestores, tendo o SINESP à frente, que impediu o governo Kassab de trocar a nomenclatura dos cargos da carreira, o que também causaria enorme prejuízo.

SINESP, defensor dos direitos do trabalhador

“Hoje os desafios ainda são imensos e precisamos, como no passado, de um sindicato independente e de luta como o SINESP ao nosso lado”, disse Luiz Carlos.

“Cada governante chega ao poder com uma ideia de reforma previdenciária na cabeça, para eles nós estamos vivendo muito... Mas no lugar de promover concursos para fortalecer a previdência, terceirizam o serviço público, sendo que e o trabalhador terceirizado não paga previdência pública.”

Luiz Carlos apontou falácias presentes nos argumentos dos reformadores, sempre reforçados pela mídia. Para eles o servidor público é um “privilegiado” que deve ter seu salário e proventos achatados. Eles ignoram, ou fingem ignorar, o pacto trabalhista segundo o qual aposentados, contribuíram no passado e até mesmo no presente para fazer jus ao que hoje recebem. Não bastasse isso, os adeptos da reforma esbanjam maliciosa criatividade, afirmando que a reforma trará os investimentos de volta, a melhora da economia e o fim do desemprego. A realidade, entretanto, será bem diferente, como enfatizou o Presidente do SINESP: “o trabalhador só tem a perder com um sistema previdenciário não solidário, sem um perfil forte de proteção social, que só privilegia o mercado. O SINESP participa ativamente da luta unificada dos trabalhadores na resistência à reforma previdenciária. No mês de agosto, duas delegações formadas por filiados do SINESP vão a Brasília pressionar junto aos parlamentares para amenizar a reforma. A mesma pressão cada um de nós tem o dever de fazer. Se passar como está, os educadores perderão a aposentadoria especial, terão aumentada a idade para se aposentar e mais tempo de contribuição”, finalizou o Presidente do SINESP.

 

Leia o pronunciamento do Presidente do SINESP, Luiz Carlos Ghilardi, no Encontro:

Bem vindos a mais um Encontro de Aposentados do SINESP!

É sempre com grande alegria que a Diretoria do SINESP organiza esse evento que já se tornou tradição no nosso calendário.

Nós no SINESP sempre tivemos consciência da importância e do valor do educador aposentado na construção da Rede Municipal de Ensino de São Paulo. Quem entra hoje no Ensino Municipal pensa que sempre foi assim, uma Rede estruturada que atende cerca de um milhão de educandos.

Mas nós, que vivenciamos várias etapas da Educação Municipal sabemos como foram desafiadores os nossos caminhos.

Desde os educadores pioneiros, que saíram à procura de crianças para formar classes, até os dias de hoje, sempre demos o melhor do nosso trabalho para socializar e educar as crianças, jovens e adultos dessa cidade.

O SINESP sempre reconheceu e homenageou os valorosos educadores municipais de hoje e de ontem.

Aliás, o SINESP pode ser considerado um verdadeiro guardião da memória da Rede Municipal de Ensino.  Comemorou os 60 anos do Ensino Municipal com uma emocionante sessão solene na Câmara Municipal, junto a  inúmeros filiados, que contou com a presença de três secretários da educação: Paulo Nathanael ...., João Gualberto.... e Alexandre Schneider.  Simbolicamente, eles representavam três importantes etapas da nossa rede de ensino. E já estamos pensando na comemoração dos 85 anos da Educação Infantil em 2020.

Em 2008, o SINESP acolheu o projeto de escrita de um livro, que foi publicado pela Imprensa Oficial. Na ocasião, o escritor e filiado do SINESP Antonio Gil Neto ofereceu sua experiência na formação de alguns colegas do SINESP, os orientou na escrita e juntos escreveram o livro “A memória brinca”. As histórias foram colhidas de fatos narrados por inúmeros gestores da Rede e reescritas em forma de memória.

Além de guardião da história do Ensino Municipal, o SINESP é também o grande defensor da nossa Carreira do Magistério. Aliás, a defesa da carreira e do concurso foi a causa que nos uniu para a fundação do SINESP.  Não fosse isso, haveria eleição para nossos cargos, e hoje eles estariam extintos na vacância, como propunha o governo Erundina. Foi também a forte reação dos gestores, tendo o SINESP à frente, que impediu o governo Kassab de trocar a nomenclatura dos cargos da carreira, o que também causaria enorme prejuízo.

Hoje os desafios ainda são imensos e precisamos, como no passado, de um sindicato independente e de luta como o SINESP ao nosso lado.

Cada governante chega ao poder com uma ideia de reforma da previdência na cabeça. E para esses reformadores da Previdência, nós estamos vivendo muito... Mas no lugar de promover concursos para fortalecer a previdência eles terceirizam o serviço público e o terceirizado não paga previdência.

Para os reformadores, o servidor público é um “privilegiado” que precisa ter seu salário e proventos achatados.Eles ignoram, ou fingem ignorar, o pacto trabalhista segundo o qual nós, aposentados, contribuímos no passado e até mesmo no presente para fazer jus ao que hoje recebemos. Para esses “adoradores do mercado”, tudo será diferente se a reforma for aprovada. Os investimentos virão, não haverá mais desempregados, o mundo será lindo e cor de rosa...

Para eles, é mais fácil tirar do bolso do servidor da ativa e do aposentado do que cobrar as dívidas dos grandes devedores da Previdência... ou fazer os detentores das grandes fortunas contribuírem com sua parte.

Nós aposentados também seremos atingidos pela reforma da previdência que foi aprovada em primeira votação na Câmara Federal, que vai à segunda votação nos próximos dias e depois ao Senado. A pensão por morte atualmente é 100% do benefício. Se aprovada a reforma como está, a pensão por morte vai cair para a metade do benefício, mais 10% por dependente. Citar outras alterações que serão prejudiciais aos aposentados.

Por hora Estados e Municípios estão fora das regras da reforma , mas já se cogita uma outra reforma paralela para incluir Estados e Municípios nas mesmas regras aprovadas no âmbito federal.

O SINESP empreendeu uma grande luta no sentido de barrar  a reforma previdenciária no Município de São Paulo. Pela luta dos Servidores Municipais e seus sindicatos, o PL enviado por Dória à Câmara ficou  engavetado por seis meses, retirado da pauta.

Passadas as eleições para governador, o mesmo PL do SAMPAPREV foi reapresentado por Bruno Covas e aprovado tornando-se a Lei .....

  No âmbito federal, há esperança de que é possível amenizar as regras. Por esse motivo a luta do SINESP continua a todo vapor. Convido vocês a entrarem sempre no site do SINESP que está divulgando um grande calendário de luta unificada do SINESP e dos demais sindicatos nessa resistência à reforma.

Agora mesmo, duas delegações formadas por filiados do SINESP vão a Brasília pressionar junto aos parlamentares para amenizar a reforma. A mesma pressão cada um de nós tem o dever de fazer, acessando no site do SINESP nomes e e-mails dos Deputados de São Paulo que deram seu voto pela reforma. Se passar como está os educadores perderão a aposentadoria especial, terão aumentada a idade para se aposentar e mais tempo de contribuição.

A luta do SINESP contra essa e outras reformas está presente na Carta de Princípios que os Gestores educacionais construíram ao longo de 22 congressos da categoria.  Todos nós aqui presentes ajudamos  na construção dessa Carta de Princípios. 

Na contramão de muitas entidades, que pautam suas lutas de forma partidária, ou colocando convicções políticas em primeiro lugar, o SINESP não se presta a esse modelo!

Sua ação se pauta em princípios, que abrangem todas as dimensões da vida social. Esses princípios recomendam, entre outras ações:

- priorizar as áreas sociais e educacionais nos orçamentos,

- valorização da diversidade cultural,

- respeito a todas as formas de manifestação religiosa,

- busca incessante de meios para combater o preconceito, a homofobia, a xenofobia, e a intolerância correlata,

- preservação e recuperação do meio ambiente,

- ética, independência política e solidariedade em todos os planos da vida social,

- tolerância zero para com a corrupção

- fim das políticas de arrocho salarial,

- políticas de cuidado para com a saúde dos servidores, entre tantas outras questões.

Se esses princípios, forjados pelos educadores, fossem aplicados pelos governantes, teríamos hoje uma sociedade mais solidária, menos desigual, acolhedora das diferenças e da diversidade. A um mundo, esse sim, com os verdadeiros valores que todos nós educadores prezamos e colocamos em prática na nossa jornada profissional e pessoal.

O SINESP é e sempre foi a Casa dos Gestores Educacionais. E é nessa casa, construída em bases sólidas, que hoje temos a honra de recebê-los. 

Uma tarde feliz e abençoada para todos!   

 

 

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar