AGENDA CULTURAL

Atividades gratuitas em São Paulo para o mês de dezembro

AGENDINHA

MUSICA

 Café com Música @ Centro Cultural Fiesp
O Centro Cultural Fiesp embala sua cafeteria com música intimista, sempre de quinta a domingo, até o dia 17/12 . São apresentações de sax, piano, violino e duo de violões para deixar o seu café ainda mais gostoso.
Onde? Centro Cultural Fiesp  
Quando? Quinta a domingo, das 12h às 14h e das 17h às 20h

Jaloo @ Galeria Olido
Depois de quase dois anos trabalhando como DJ, Jaloo apresenta um novo momento em sua carreira, agora com músicas próprias e um show totalmente inovador. Onde? Galeria Olido
Quando? Domingo, 17/12 às 18h

ARTE

 Ocupação Nise da Silveira @ Itaú Cultural
A 37ª edição do programa Ocupação homenageia a psiquiatra Nise da Silveira, levando ao público documentos, entrevistas e um espaço onde o público pode fazer experimentações livres em desenho — uma das técnicas adotadas pela médica em suas terapias.
Onde? Itaú Cultural
Quando? Terça a sexta, das 9h às 20h / sábado e domingo, das 11h às 20h

 Museu da Empatia @ Parque do Ibirapuera
Você já parou para olhar o mundo com os olhos de outras pessoas? É essa a ideia do Museu da Empatia, que chega à área externa do Pavilhão da Bienal com a instalação "Caminhando em seus sapatos...". Saiba mais aqui.
Onde? 
Parque do Ibirapuera
Quando? Terça a sexta, das 19h às 19h / sábado e domingo, das 11h às 20h

No subúrbio da modernidade - Di Cavalcanti 120 anos suburbio modern expo

Em homenagem aos 120 do nascimento de Di Cavalcanti, a Pinacoteca do Estado apresenta uma grande retrospectiva com obras de quase seis décadas da carreira do artista. Em cartaz até 22 de janeiro de 2018, "No subúrbio da modernidade - Di Cavalcanti 120 anos" reúne mais de 200 trabalhos pertencentes a importantes coleções brasileiras e internacionais.

A visitação acontece de quarta a segunda-feira, das 10h às 17h30, com ingressos a R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia). Aos sábados, a entrada é gratuita. 

Data 02 Set-22 Jan 2018

Preço(s) grátis aos sábados

Horário(s) quarta a segunda-feira, 10h às 17h30

Pinacoteca do Estado de São Paulo

Praça da Luz, 2, Centro 01120-010

Telefone (11) 3335-4990

Descubra um fantástico jardim suspenso no centro de São Paulo

aqui. 12Edifício Matarazzo, atual sede da Prefeitura de São PauloJardim na cobertura da Prefeitura de São Paulo conta com mais de 400 espécies vegetais e 3 mirantes

Quem caminha pelas ruas estreitas do centro velho de São Paulo, nem imagina que bem no coração da cidade, na sede do poder executivo municipal, um belo jardim se esconde. Da Praça Patriarca, quem ousa olhar para o alto e não para as ruas movimentadas, vislumbra um pouco do verde, o suficiente para instigar a curiosidade.

Bem ali, no Edifício Matarazzo, atual sede da Prefeitura de São Paulo, um jardim suspenso, pensado pelo próprio Matarazzo, quebra a paisagem de concreto. A visita ao jardim só é possível através da visita monitorada realizada pela SPTuris. Mas, não se preocupe, pois a visita vem bem a calhar para conhecer mais sobre a história do lugar.

Passado o momento inicial da visita, enfim chegamos à cobertura do prédio e ao tão misterioso jardim! Mais de 400 espécies vegetais, entre árvores frutíferas, pés de café, cana-de-açúcar e até mesmo um exemplar de pau-brasil aguardam os visitantes. Entre tanto verde, que até parece um bosque, ainda há três mirantes com vista para três regiões da cidade, sendo possível observar alguns pontos conhecidos de São Paulo, como o Copan, o Banespão e o Theatro Municipal. Por fim, mas não menos importante, um lago com carpas finaliza o passeio.

aqui. 13Mais de 400 espécies vegetais compõem o jardim

Orientações para visitação:

● Dias de visitação: Segunda a sábado, às 10h30, 14h30 e 16h30.

● A visitação tem duração prevista de uma hora.

● Não é necessário agendamento.

● Chegar com no mínimo 30 minutos de antecedência, na recepção do edifício.

TOULOUSE-LAUTREC no MASP com a exposição EM VERMELHO

MaspHenri de Toulouse-Lautrec (1864-1901) foi um dos artistas europeus mais importantes da virada do século 19 para o século 20, momento decisivo para a arte moderna e palco para as transformações políticas, econômicas e sociais que até hoje marcam a vida nas cidades. O MASP apresenta a mais ampla exposição dedicada ao artista no Brasil, abarcando toda a sua produção, desde os primeiros anos, na década de 1880, até o fim de sua vida, e reunindo 75 obras e 50 documentos. Toulouse-Lautrec em vermelho faz alusão ao salão de entrada de uma luxuosa maison close parisiense, que o artista frequentou nos anos 1890 e onde criou uma relação de amizade com as mulheres que ali trabalhavam. Extrapolando os interiores do salão vermelho, a exposição traz uma profusão de personagens — burgueses, boêmios, trabalhadores, dançarinas e artistas que conviviam em Paris e que fizeram parte do círculo afetivo e artístico de Toulouse-Lautrec.

Toulouse-Lautrec em vermelho se divide em cinco núcleos. O primeiro deles apresenta o mundo das maison closes — “casas fechadas”, em francês — e revela o carinho e a simpatia do pintor em relação às mulheres retratadas. As três obras centrais são apresentadas num painel vermelho, evocando o famoso salão de entrada da maison La Fleur Blanche [A Flor Branca], em Paris. O segundo núcleo da exposição reúne outras representações de mulheres — algo a que Toulouse-Lautrec dedicou especial atenção —, reunindo lavadeiras, modelos de ateliê, burguesas e nobres, e assim evidenciando ou questionando seu papel social. O terceiro núcleo da exposição é dedicado a retratos masculinos. Ao contrário do que ocorre nas representações femininas, conhecemos os nomes de todos os homens na pinturas de Toulouse-Lautrec incluídas na exposição, um sintoma eloquente da discriminação entre homens e mulheres e do papel que cada um exerce na sociedade, na história e na cultura visual. Finalmente, o quarto e o quinto núcleos trazem representações da vida noturna, com seus cabarés, bares, restaurantes e casas de espetáculo que proliferaram em Paris depois que a cidade começou a ser iluminada pela luz elétrica. Aqui vemos diversos personagens, como os trabalhadores que à noite frequentavam o Moulin de la Galette e tentavam esquecer a dura jornada de trabalho, a célebre dançarina Jane Avril (1868-1943) ou o debochado dono de cabaré Aristide Bruant (1851-1925), imortalizados em grandes cartazes que anunciavam seus espetáculos e que acabaram por marcar profundamente a paisagem urbana. Toulouse-Lautrec em vermelho apresenta também uma seleção de 50 documentos, entre cartas, bilhetes, telegramas e fotografias do artista e de seu círculo, que constituem uma memória viva daquela época.

Num contexto mais amplo das histórias da sexualidade e das representações de gênero, a exposição de Toulouse-Lautrec dialoga com as mostras de Teresinha Soares, Wanda Pimentel, Miguel Rio Branco e Tracey Moffatt. Num segundo momento, se relacionará com as de Pedro Correia de Araújo em agosto, Guerrilla Girls em setembro e, em outubro, com a coletiva Histórias da sexualidade.

Veja AQUI a galeria de imagens da exposição.

MIS exibe quase mil objetos de Renato Russo em mostra nostálgica

Renato Russo Reproducao Cinthia Bueno MIS Credito Marcos Prado Azul Press Acervo Renato Russo

Uma das exposições mais aguardadas do ano, "Renato Russo", chega oficialmente ao Museu da Imagem e do Som, na quinta-feira, 7 de setembro. A mostra presta homenagem ao ícone da música brasileira e apresenta cerca de mil itens pessoais do artista.

Após um convite de Giuliano Manfredini, único filho de Renato, o MIS teve acesso ao apartamento do músico, no Rio de Janeiro, onde viveu entre 1990 a 1996. A partir desse encontro nostálgico, o museu convida a legião de fãs de Russo a viajar por seu universo e conhecer bem de pertinho pedaços da vida do ídolo.

"Renato Russo" recebe visitações até 28 de janeiro de 2018, de terça a sábado, das 10h às 21h, e aos domingos e feriados, das 9h às 19h. Os ingressos antecipados estão à venda pela internet e custam R$ 15 (meia-entrada) e R$30 (inteira). Aos domingos e feriados, os convites são vendidos somente na bilheteria, a R$ 6 (meia-entrada) e R$ 12 (inteira). Nas terças-feiras, a entrada é Catraca Livre.

Entre os itens em exposição, estão peças de vestuário, fotografias, discos, livros, manuscritos, instrumentos musicais, documentos escolares, desenhos, cartas de fãs, prêmios, fanzines, folhetos e impressos.

Além de grande letrista, Renato Russo também produziu desenhos, pinturas, peças de teatro e projetos cinematográficos. Particularidades como suas coleções de anjos e de baralhos de tarô também estão na mostra para delírio do público.  

Museu de Anatomia na USP exibe a complexidade do corpo humano

Museu de Anatomia

O museu conta com cerca de mil itens expostos, que vão de membros e órgãos, até cadáveres. Além de possuir uma biblioteca com aproximadamente dois mil volumes. Em seu acervo estão peças anatômicas preparadas e conservadas por diversos métodos e separadas de acordo com os sistemas e aparelhos que compõem o corpo humano.

Um dos grandes destaques do museu fica para sua biblioteca que conta com obras originais raras, como os livros “De Humani Corporis Fabrica”, escrito por Adreas Versalius em 1543, e “Opera Omnia”, escrito por Regnier de Graaf em 1678. Por conta da deterioração, as obras não estão expostas ao público, disponíveis apenas para pesquisas específicas.

Outra parte do acervo que também chama a atenção são as coleções de crânios, que conta com 500 peças de indivíduos jovens e adultos de ambos os sexos, e a de 83 fetos com diversas anomalias. O museu também mantém um espaço fixo batizado de Cápsula Bovero, que reproduz parte do escritório do anatomista e onde está instalada uma das mesas de mármore que ele utilizava em suas aulas e dissecções.

Mais de um século de história

O acervo do museu começou a ser formado em 1914 pelo professor Alfonso Bovero, sendo que o local passou a receber visitantes somente em 1960 na Faculdade de Medicina da USP. Em 1997, foi transferido para o Instituto de Ciências Biomédicas, quando alcançou o expressivo número de 1.800 peças expostas e uma biblioteca com aproximadamente dois mil volumes.

Em 2014 ele foi fechado para reforma e, desde então, passou por uma reformulação até ser reinaugurado em maio deste ano. O novo museu foi pensado e organizado pelo biólogo e anatomista Edson Aparecido Liberti, além de ter contado com a assessoria de profissionais da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP para conceber o design do espaço.

Local: Museu de Anatomia Humana Professor Alfonso Bovero

Av. Prof. Lineu Prestes, 2415 - Butantã, São Paulo - SP, 05508-000

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar