SINESP na Audiência Pública do CNE

Aconteceu no SINESP
TIPOGRAFIA

Alvo de polêmica entre os educadores prossegue pelo país a apresentação da BNCC

CNE IA Base Nacional Curricular Comum estabelece conteúdos e competências essenciais, isto é, o que todo estudante deve saber ao cursar a Educação Básica.

Sua execução já estava prevista na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Básica de 1996 – LDB –, mas só começou a ser construída em 2014, ao ser considerada Meta no Plano Nacional de Educação.

Em abril de 2017, o MEC entregou ao CNE – Conselho Nacional de Educação – a terceira versão da BNCC. Após realizar Audiências Publicas regionais e ouvir sugestões, o CNE irá elaborar parecer e projeto de resolução sobre a Base, que serão devolvidos ao MEC. Já foram realizadas Audiências Públicas em Manaus, Recife, Florianópolis e São Paulo, sendo esta no dia 25 de agosto. A etapa final será em Brasília, no dia 9 de setembro.

CNE IIDirigentes Sindicais Cristina Ribeiro, Christian de Melo e João Alberto na Audiência realizada em São Paulo

A partir da homologação da BNCC pelo MEC, começará o processo de formação dos professores e apoio aos sistemas de educação de Estados e Municípios para adequação dos currículos escolares.

SINESP manifesta-se em Audiência Pública de São Paulo

Diversos segmentos da sociedade tiveram oportunidade de oferecer suas contribuições nas Audiências, que não têm caráter deliberativo, mas são essenciais para que os membros do CNE possam fazer um documento normativo que reflita necessidades, interesses, diversidade e pluralidade do panorama educacional brasileiro. Demonstrando empenho na construção de uma educação de qualidade como direito de todos, o SINESP esteve presente, representado pelo Secretário Geral João Alberto Rodrigues de Souza e pelos Dirigentes Christian de Mello Zsnick e Maria Cristina Ribeiro. 

A BNCC vem gerando polêmica entre educadores. Comemorada por uns pelo fato de o Brasil ter, como outros países, diretrizes nacionais mais específicas, por outros é considerada rígida, contra a autonomia dos professores e desarticulada do PNE e das CONAEs 2010 e 2014.     

O SINESP levou sua opinião na fala do Dirigente Sindical João Alberto, que analisou a conjuntura em que se insere o processo de construção da BNCC e a responsabilidade do CNE na elaboração do parecer.

Clique AQUI e veja na íntegra a análise do Dirigente Sindical do SINESP João Alberto Rodrigues 

CNE III

 

 VEJA TAMBÉM 

Governo Temer desiste de antecipar alfabetização do 3º para o 2º ano

Conselho exige 600 h de revisão de conteúdo do ensino básico em curso de Pedagogia

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar